terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Barra de Stº Antônio: sessão da Câmara termina com agressões

Presidente diz que foi atingido com um soco ao tentar filmar sessão paralela, que seria realizada por vereadores da oposição


A sessão extraordinária que seria realizada, na manhã desta terça-feira (31), para a aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) para o exercício financeiro de 2012, no município de Barra de Santo Antônio – distante 38 km de Maceió –, acabou em troca de agressões físicas entre vereadores daquela cidade. Isso porque o presidente da Câmara, vereador Marcos Rios (PRTB), que convocou os ‘colegas’ de parlamento, teria se deparado com uma sessão paralela que, segundo Rios, fora convocada pelo vice-presidente e desafeto político, o vereador Márcio Bonfim (PMN).

Insatisfeito com a atitude do vereador, o presidente decidiu filmar os trabalhos para denunciar o que seria uma afronta ao regimento interno da Casa quando foi surpreendido pelo vereador Hélio Almeida (PSDB), outro que faz oposição ao chefe do Legislativo, tendo a câmera que utilizava arrancada de suas mãos. Com a confusão, a votação da LOA foi novamente adiada, sob o risco de a Prefeitura daquela cidade, sem orçamento, atrasar o pagamento dos salários dos servidores relativo a janeiro.

Marcos Rios – que chegou a ser afastado da presidência, por decisão da desembargadora Elizabeth Carvalho, acusado de falsificar a assinatura do tesoureiro da Câmara em cheques emitidos pela Câmara – prestou queixa na delegacia. Hélio Almeida, por sua vez, também se dirigiu ao prédio do 19º Distrito Policial, alegando que reagiu somente porque fora agredido com um soco.

O presidente da Câmara, ao deixar o plenário, exibia a camisa rasgada, além do paletó com manchas que seriam de fezes, atiradas em sua direção, segundo o vereador, por um dos opositores – seis dos nove vereadores que formam o Legislativo criaram comissão para investigar o suposto desvio de verba, que já teria alcançado os R$ 100 mil em quase três anos de mandato, já que Marcos Rios foi reeleito presidente, conquistando mais um biênio à frente da Mesa Diretora.

Já na tarde desta terça, Marcos Rios esteve na redação do portal Gazetaweb, onde relatou a situação vivenciada no final da manhã. Ainda com a roupa rasgada durante o incidente, ele voltou a negar a acusação de que teria falsificado as assinaturas, garantindo que, na verdade, a insatisfação por parte do vice-presidente seria em virtude do fato de o mesmo ter recebido o pagamento de salário adiantado, sendo que o vereador - segundo Marcos Rios - afirmara que a decisão foi proferida de forma irregular, dando início ao desentendimento.

"Apenais alertei aos colegas de parlamento que aquela sessão não teria validade por infringir o regimento. Foi quando fui agredido. Eu não reagi em nenhum momento e voltei a ser agredido pelo vereador Hélio quando eu repassava a minha versão para o escrivão da delegacia", reforçou o presidente da Câmara, revelando ainda que dizera exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Maceió. 

Outra acusação

Marcos Rios também chegou a ser condenado a vinte anos de reclusão por homicídio triplamente qualificado. Ele foi apontado como o autor intelectual do assassinato do ex-vereador de Jacaré dos Homens Josenildo Silva, morto com 12 tiros, em junho de 2008, na Barra de Santo Antônio, onde trabalhava como taxista.

À época, Marcos Rios era presidente da associação de taxistas daquele município, da qual Jorge era filiado. A vítima, segundo a polícia, descobrira que Rios estava falsificando alvarás de licença para que falsos taxistas pudessem comprar carros com os descontos destinados à categoria, comercializando-os por cerca de R$ 3 mil cada. 

O vereador chegou a passar 60 dias presos pelo crime, mas, por força de um habeas corpus, passou a aguardar o julgamento em liberdade.






Fonte: Gazeta Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário