terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Integrantes do MTL denunciam à Vara Agrária truculência da Polícia Militar

Trabalhadores rurais procuraram o juiz Airton Tenório e formalizaram denúncia


Integrantes do MTL denunciam à Vara Agrária
 truculência da Polícia Militar  
Integrantes do Movimento Terra e Liberdade (MTL) denunciaram, nesta terça-feira, supostas ações truculentas da Polícia Militar contra famílias que estavam acampadas às margens da rodovia BR-101, em Rio Largo. Os trabalhadores rurais procuraram o juiz agrário Airton Tenório e formalizaram denúncia, pedindo providências.

Conforme a denúncia, durante ocupação de terras de uma usina, nos dias 23 e 24 deste mês, os trabalhadores teriam sido tratado com agressividade após a chegada da polícia no local. “Nós decidimos, então, formalizar denúncia, para que o caso seja investigado e as providências sejam tomadas”, afirmou Antônio Alves, líder do MTL.

O juiz agrário Airton Tenório informou que caberá a ela ouvir as partes envolvidas na denúncia e tentar mediar o conflito. “Vamos ouvir os envolvidos e analisar o que faremos em seguida. Por enquanto, não podemos adiantar os nossos próximos passos”, informou o magistrado à reportagem da Gazetaweb.

Durante a reunião, o major Givaldo, representante da Corregedoria da Polícia Militar, informou que, se ainda não foi, deverá ser instaurado um processo administrativo para apurar as denúncias dos trabalhadores. Ele explicou que, se ficar comprovado que os militares agiram com truculência, eles poderão ser punidos.

Além do representante da PM, Lenilda Lima, superintendente regional do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), também esteve presente. Ela foi questionada sobre a demora em vistorias de terras improdutivas, principalmente, de usinas.

“As vistorias obedecem a um processo de agendamento. Não podemos desrespeitar os prazos e beneficiar nenhum grupo. Mas, é provável que nós façamos as vistorias reivindicadas pelos trabalhadores ainda neste semestre”, explicou Lenilda Lima.






Fonte: Gazeta Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário