segunda-feira, 23 de julho de 2012

PIB estimado de Alagoas aponta crescimento de 6,1% no primeiro trimestre de 2012


A estimativa do Produto Interno Produto (PIB) do primeiro trimestre de 2012 do Estado de Alagoas aponta um crescimento de 6,1% em relação ao mesmo período no ano passado. Esse índice foi calculado pela Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico (Seplande), que, a partir de agora, passa a oferecer aos alagoanos o valor estimado do PIB dos quatro trimestres do ano.
As estimativas trimestrais também englobam os anos de 2010 e 2011. “Trata-se de mais um produto entregue pela equipe técnica da Seplande, que vai colaborar, e muito, com o setor produtivo, com a academia e com o próprio Governo, já que a estimativa apresentada pode auxiliar no planejamento de ações nos mais diversos setores”, destaca o secretário Luiz Otavio Gomes.
O cálculo adapta a metodologia implantada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o cálculo da estimativa trimestral do PIB do Brasil e tem como objetivos principais refletir a conjuntura econômica local a curto prazo, além de estabelecer uma comparação constante entre a realidade alagoana e o restante do País.
Em sua composição, o PIB trimestral apresenta os números dos setores de serviços,agropecuária e indústria, percentuais que se referem ao chamado Valor Adicionado, ou seja, descontando o imposto líquido.Com 6,1%, Alagoas, quando comparado aos outros três estados do Nordeste que fazem o cálculo da estimativa trimestral do PIB, apontou o maior crescimento do período, ficando à frente da Bahia (4,8%), Pernambuco (4,6%) e Ceará (3,4%).
Em relação ao crescimento da estimativa trimestral do PIB do País, a diferença ainda é maior, tendo em vista o ligeiro crescimento estimado de 0,8% registrado no PIB brasileiro. Dos três setores que compõem o cálculo da estimativa trimestral do PIB, a indústria apresentou o maior crescimento, registrando uma variação de 12,9%, na comparação com o mesmo período do ano passado.
Esse crescimento deve-se ao desenvolvimento da indústria da construção civil (12,9%) e da indústria de transformação (16,3%).O valor de 12,9% também supera os índices estimados das demais unidades do Nordeste e do País: Pernambuco (9,0%), Bahia (4,7%), Ceará (1,6%) e Brasil (0,1%).
De acordo com o economista da Seplande Roberson Leite, o alto desempenho no primeiro semestre de 2012 do setor industrial também se dá pela recuperação do setor químico, que enfrentou dificuldades operacionais nesse mesmo período em 2011.
Apenas o setor agropecuário apresentou um decréscimo (1,3%), por conta de ocorrências como a estiagem, ocasionando uma queda de 1,8% nas lavouras temporárias, tendo como destaque as do milho (-64,8) e do feijão (-15%). A pecuária sofreu um decréscimo de 3,3%, influenciada pela redução do efetivo das aves (-5,8%), na produção de leite (-2,3%) e ovos (-4,8%).
O superintendente de Produção da Informação e do Conhecimento da Seplande, Thiago Ávila, lembra que esses valores estão sujeitos à revisão por conta dos ajustes metodológicos do cálculo consolidado do PIB do Brasil e nos demais estados. “É fundamental para o Estado dispor deste indicador, que permite um acompanhamento da situação econômica em um curto espaço de tempo. Os dados subsidiam toda a cadeia produtiva, no desenvolvimento de ações para o fortalecimento dos setores com bom desempenho e a recuperação dos setores que estão em ritmo desacelerado”, diz.



Fonte: Agência Alagoas

Nenhum comentário:

Postar um comentário