sábado, 14 de julho de 2012

Quem apanha na infância tende a resolver problemas com violência, aponta pesquisa


 A exposição à violência durante a infância pode trazer consequências para a vida adulta, segundo estudo do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da Universidade de São Paulo (USP). De acordo com a pesquisa, quem sofre agressões quando criança tem mais chances de adotar a violência como principal mecanismo de solução de conflitos.
“A criança entende que a violência é uma opção legítima e vai usá-la quando tiver um conflito com colegas da escola, por exemplo. Mas, ao agredir, ela também pode sofrer agressão e se tornar vítima. E isso cresce de forma exponencial ao longo da vida”, disse Nancy Cardia, vice-coordenadora do NEV.
Os pesquisadores entrevistaram 4 mil pessoas maiores de 16 anos de idade, moradoras de 11 capitais brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Recife, Belém, Manaus, Porto Velho, Fortaleza e Goiânia). Os questionários foram aplicados pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) em 2010. De acordo com os resultados, mais de 70% dos entrevistados apanharam na infância, sendo que 20% do total eram agredidos uma vez por semana ou mais.
O estudo apontou ainda o aumento das chances de a pessoa reproduzir a violência sofrida no passado contra os próprios filhos, como método de educação. “Isso tem a ver com o tipo de aprendizagem social. Você aprende que educar por meio da agressão física é um instrumento legítimo de educação”, disse Renato Alves, pesquisador do NEV. Assim, fecha-se um “um ciclo perverso do uso da força física”, como definem os pesquisadores.
Os resultados mostraram que os objetos usados com frequência nas punições físicas foram vara, cinto e pedaço de pau, itens mais comuns que a palmada. Embora o estudo não tenha tido o objetivo de orientar as famílias sobre a criação dos filhos, o pesquisador não acredita que aplicar castigos físicos nas crianças é o melhor método para educá-las.“Usar a punição física na educação dos filhos apresenta mais prejuízos que benefícios, tanto para a pessoa que sofre a punição quanto para a sociedade”, disse.
Renato Alves lembra, porém, que ter apanhado na infância não significa que o adulto será violento. “Tudo tem que ser olhado com muito cuidado, porque também tem muita influência do contexto em que a pessoa vive”, ponderou. De acordo com o pesquisador, o indivíduo que conhece, ao longo da vida, outros modelos de referência para lidar com conflitos pode aprender a enfrentar melhor essas situações.



Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário