quinta-feira, 12 de julho de 2012

Remédio Tamiflu, contra gripe A, será vendido sem retenção de receita

Anvisa decidiu retirar o medicamento da lista de controle especial. Ministério da Saúde reforça que antiviral ainda precisa de receita médica.



O remédio antiviral oseltamivir, usado contra a gripe A (H1N1) e vendido no Brasil com o nome comercial Tamiflu, foi retirado da lista de controle especial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A resolução foi publicada no Diário Oficial da União de terça-feira (10).
A medida significa que a receita médica não precisará mais ficar retida na farmácia, mas ainda deve ser apresentada na hora da compra ou da retirada em um posto de saúde, gratuitamente.
Segundo o Ministério da Saúde, a decisão foi tomada para facilitar o acesso ao medicamento, que tinha a venda restrita para que a população não abusasse do princípio ativo, principalmente durante a epidemia mundial de 2009. Além disso, não eram conhecidos os possíveis efeitos do Tamiflu sobre as mulheres grávidas, o que posteriormente não demonstrou contraindicações.
O governo destaca que o remédio continua precisando de receita, pois tem tarja vermelha, e ninguém deve se automedicar.
Pacientes com receita médica particular também podem pegar o Tamiflu gratuitamente na rede pública. Este ano, o Ministério da Saúde enviou 418,8 mil caixas do produto aos estados, e cada região deve determinar onde o estoque deverá ficar disponível à população.
O laboratório Roche, que produz o Tamiflu no Rio de Janeiro e na Suíça, diz que as farmácias que estiverem em falta do antiviral precisam fazer a solicitação. No país, muitos estabelecimentos estão sem o remédio. O preço máximo ao consumidor, segundo a fabricante, é de R$ 195,93 para a versão de 75 mg. Cada caixa contém 10 comprimidos, suficientes para um tratamento completo.
Para ter eficácia, o uso do antiviral deve ser iniciado nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas. Mas, mesmo que esse período seja ultrapassado, o Ministério da Saúde indica a prescrição.
O oseltamivir é usado em casos em que os sintomas já se instalaram, principalmente crianças e idosos. Já a vacina funciona de forma preventiva para os grupos de risco. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, realizada entre 5 de maio e 1º de junho, atingiu mais de 80% da meta, após a ação ser prorrogada. Os grupos-alvo foram gestantes, idosos, crianças de 6 meses a 2 anos, profissionais da saúde, indígenas e presidiários.
Além do oseltamivir, a gripe suína pode ser tratada com o remédio zanamivir, que é importado. Segundo a infectologista Rosana Richtmann, presidente da Sociedade Paulista de Infectologia, não se deve esperar o resultado de exames laboratoriais ou o agravamento do caso para iniciar o uso do medicamento. O tempo de tratamento é de cerca de cinco dias.
Aumento de casos
Comparado ao ano passado, 2012 apresenta mais casos e mortes por gripe suína. Segundo o ministério, a explicação está no aumento da circulação dos vírus influenza – com predomínio das cepas A (H1N1) e A (H3N2) – e das doenças respiratórias, principalmente entre maio e agosto. Além disso, estão no ar outros agentes responsáveis por infecções, como diferentes tipos de vírus, bactérias e fungos.
Com uma maior aglomeração de pessoas no inverno, a transmissão tende a aumentar. O governo, porém, descarta uma nova epidemia e fala apenas em surtos localizados, concentrados agora na Região Sul.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Panamericana da Saúde (OPAS), o vírus A(H1N1) "pós-pandêmico" continua circulando em todos os continentes, provocando casos e surtos pontuais. O número de casos de doenças respiratórias graves, segundo a OMS, está dentro do esperado para esta época do ano no Brasil, de acordo com a série histórica de vigilância do influenza.
No Hemisfério Norte, a atividade do vírus foi considerada branda e já diminuiu. Houve surtos do vírus da gripe suína no estado americano do Texas, mas tanto nos EUA quanto no Canadá predominaram as cepas A (H3N2) e B. No México, onde a pandemia de 2009 teve início, houve maior circulação do A (H1N1).
Alguns países da Europa relatam um grande número de mortes entre pessoas com mais de 65 anos, o que coincide com a transmissão local do vírus A (H3N2), predominante em vários países do continente.
Balanço até julho
Os dados do Ministério da Saúde até 3 de julho informam que houve no país, em 2012, 1.099 casos de gripe suína e 110 mortes. Todos os tipos de vírus influenza foram responsáveis por 1.366 casos e 129 óbitos.
Considerando todos os casos de síndrome respiratória aguda grave, nos quais entram a gripe suína, a pneumonia e outras doenças das vias aéreas, foram contabilizados 7.043 casos e 513 mortes. As regiões Sul e Sudeste tiveram o maior número de casos, com 55% (3.876) e 35% (2.477), respectivamente.
Do total de casos confirmados de influenza, 7% foram fatais, principalmente no Sul, sendo que 50% dos pacientes eram do sexo masculino, com idade média de 40 anos. Os principais sintomas foram dificuldade respiratória (93,9%), febre (84,2%) e tosse (83,4%).
Entre os 340 óbitos de mulheres em idade fértil (de 15 a 49 anos) por síndrome respiratória aguda grave, 4,4% (15) eram gestantes e, destas 15, 27% (4) foram foram contaminadas pelo influenza: três pelo A (H1N1) e uma pelo vírus A sazonal. Duas receberam o oseltamivir com três e cinco dias após início da doença, respectivamente.


Fonte: R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário